segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Adolescência

Como equilibrar liberdade e supervisão na educação  dos filhos


Uma grande preocupação trazida pelos pais, tanto em meu consultório como Psicóloga no Tatuapé, quanto nas palestras que ministro, diz respeito a saída dos jovens para as baladas, situação que faz parte desta fase da vida onde a socialização é esperada, necessária e bastante saudável. Por outro lado nos deparamos com a violência e com a disseminação das drogas lícitas e ilícitas presentes em todos os lugares e contextos.

Com base neste panorama os pais perguntam: O que é melhor, confiar nos filhos e deixar que eles saiam, ou garantir sua segurança recebendo os amigos sempre em casa?

Afirmo que é melhor confiar nos filhos e deixar que eles saiam, porém com alguns critérios, limites e acordos que deverão ser respeitados por eles, porque impor nossas vontades sem respeitar seus desejos de crescimento e de espaço enquanto pessoa, poderá nos afastar de nossos filhos, e formar indivíduos dependentes e inseguros.

Os pais devem oferecer liberdade e substituir o padrão de controle absoluto por um de supervisão. Como pais, devemos aprender a transitar no estreito desfiladeiro entre a paternidade responsável e o autoritarismo. Devemos oferecer-lhes uma "liberdade supervisionada" e aberta ao diálogo.  E mostrar-lhes que a liberdade vem sempre acompanhada de responsabilidades. Por exemplo, ao deixar seu filho sair imponha um horário, e diga a ele que você não permitirá que suas regras não sejam cumpridas e caso ele não as respeite,  da próxima vez não poderá sair, pois perderá seu credito e sua confiança. Conheça o lugar e o ambiente onde seu filho irá, e se ele está de acordo com sua faixa etária, e saiba quem são os amigos de seus filhos.

Agindo com estes cuidados e oferecendo-lhes autonomia compatível com sua idade, estaremos reconhecendo que são pessoas com vontades, necessidades e objetivos próprios. Devemos mostrar-lhes que confiamos, mas também nos preocupamos com eles. Desta forma estaremos ajudando-os a viverem esta fase que é uma extraordinária etapa da vida, onde se constrói a identidade, um tempo de busca por si mesmo, onde algumas crenças e valores são reconstruídos e outros reafirmados. Uma fase de instabilidades e de transição. E sobretudo confie na educação que vocês pais e mães deram a eles, e que certamente todos os seus bons ensinamentos estão dentro deles e eles os utilizarão na medida em que precisarem.

Devemos estar conscientes que a adolescência é um período no qual uma criança se transforma em adulto. E não se trata apenas de uma mudança na altura e no peso, nas capacidades mentais e na força física, mas, também, de uma mudança na forma de ser e de estar no mundo.

Queridos pais, educadores para a vida: Educar é conduzir pra fora (ex ducere) o melhor de cada um. A educação deve ser para a vida, por essa razão, não é apenas fixar limites, mas orientar em direção a metas de excelência e objetivos no uso da liberdade. Não é impor ou coagir a liberdade, mas canalizar a liberdade de modo que frutifique em benefício de outros e da própria pessoa. O adolescente precisa de uma orientação, por isso devemos estar próximos e para isto ele precisa se sentir respeitado, para se tornar um adulto forte e poder empreender por si a própria vida. Eu posso lhes dizer que educar É uma arte complexa e delicada, mas muito, muito gratificante. Vale a pena vivê-la !



Psicóloga Alessandra C R Chrisostomo
Agende sua consulta: (11) 99912-4878
Consultório no Tatuapé -  Rua Itapura, 300 - Próximo ao metro Carrão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário